20 de agosto de 2014

Vitiligo: Causas e Tratamentos

 
O primeiro sinal aparente do Vitiligo é a perda da coloração da pele. Isso acontece devido à diminuição dos melanócitos, as células que são responsáveis pela produção do pigmento da pele, a melanina. Formam-se, então, manchas esbranquiçadas devido ao clareamento em locais afetados pela doença.

A medicina ainda não tem um consenso sobre as causas exatas para o seu surgimento, porém as teorias mais aceitas são a de fenômenos autoimunes, piora com o estresse e traumas emocionais e a influência genética familiar.

O paciente com vitiligo possui manchas brancas na pele, que podem ter diversos tamanhos e aparecem em diferentes locais do corpo. O dermatologista deve avaliar o quadro do paciente de vitiligo e indicar o melhor tratamento específico para cada caso. As manchas do vitiligo não costumam causar sintomas, embora em alguns casos, foi detectada certa sensibilidade e até mesmo dor nas áreas manchadas.


Existem alguns tipos diferentes de vitiligo.
  • O vitiligo segmentar manifesta-se em apenas uma parte do corpo e geralmente surge na juventude.
  • O vitiligo bilateral, mais comum, aparece em ambos os lados do corpo (ex. dois braços), sendo mais comum aparecerem nas extremidades, como os pés. A doença segmentar costuma ser mais estabilizada, enquanto que a bilateral não costuma ter um padrão definido, podendo apresentar diferentes lesões no corpo ao longo da vida do indivíduo.
Vale ainda ressaltar que o vitiligo não é contagioso. Por outro lado, a autoestima e a qualidade de vida do paciente são drasticamente alteradas, devido ao impacto que as manchas brancas causam na aparência.
O vitiligo pode estar associado a outras doenças autoimunes, como a diabetes mellitus tipo 1 e a tireoidite de Hashimoto. Geralmente, o dermatologista solicita exames para tentar achar outras doenças associadas, dependendo de cada caso.

Embora não seja possível evitar o vitiligo, o ideal é que toda a família do paciente faça um acompanhamento com o dermatologista, a fim de observar se há a presença ou não da doença. Tratamentos realizados precocemente e em manchas menores costumam apresentar melhor resultado terapêutico.

O tratamento é diferente para cada caso, mas em geral usam-se medicamentos para repigmentação das manchas, assim como laser, cirurgias e transplante de melanócitos. Os pacientes são orientados a evitarem roupas apertadas nas áreas afetadas, exposição inadequada ao sol, dentre outros cuidados, para que não induzam a propagação da doença.

Junto ao tratamento, o dermatologista deve orientar também o paciente a um acompanhamento psicológico. O vitiligo não afeta diretamente a saúde do paciente, mas tem um impacto considerável sobre o fator emocional, causando baixa autoestima, timidez, problemas de relacionamento, dentre outros fatores. O médico tentará não apenas repigmentar as manchas, como também devolver qualidade de vida para o seu paciente.


Se você quiser saber ainda mais sobre Vitiligo clique aqui.

Dra. Rafaela Salvato
Dermatologista em Florianópolis - Vilitigo

14 de agosto de 2014

Acne na vida adulta


A acne, além de ser relativamente comum na adolescência, pode também aparecer na vida adulta. Quando as lesões aparecerem, é importante que o dermatologista seja consultado, pois a acne na vida adulta pode estar relacionada a diversas disfunções do organismo e o tratamento adequado é necessário para a saúde e o bem estar do paciente.
A acne na vida adulta tem causas distintas das causadas na adolescência, pode estar relacionada a alterações hormonais, como as disfunções do ovário, alterações das glândulas supra-renais ou mesmo a hipersensibilidade da pele aos hormônios masculinos.Pesquisas demonstram que a acne na vida adulta é mais comum em mulheres de 20 a 40 anos e que o stress e a dieta pobre em nutrientes podem agravar o problema, causando danos à auto-estima e à qualidade de vida da mulher. Ingestão de hormônios principalmente para a hipertrofia muscular, assim como o uso de alguns suplementos vitamínicos também podem piorar a acne, principalmente em homens em torno de 25 a 35 anos.
A acne na vida adulta, quando decorrente da maior sensibilidade ao hormônio masculino, pode estar ligada a outras alterações clínicas, como o aumento dos pêlos no rosto e no corpo, a seborréia e a queda capilar. É comum que apareçam alterações no ciclo menstrual causando irregularidade. Nesses casos, pode estar presente a Síndrome do Ovário Policístico (SOP).
O tratamento da acne da vida adulta também é um pouco diferente da causada na adolescência, pois é importante abordar a causa do problema. No caso de SOP ou outras alterações dos hormônios femininos, pode ser indicado o uso de contraceptivos orais. Nesse caso, o acompanhamento conjunto com o ginecologista será indicado.
Além do uso de contraceptivo, o tratamento da acne na vida adulta também pode necessitar de outras medicações de uso oral, tópico, peelings ou tratamentos com luz pulsada, lasers e LED. Em casos mais graves e resistentes, a isotretinoína oral também pode ser prescrita.
O uso de antibióticos tópicos ou orais também pode ser indicado. No entanto, o antibiótico para cada fase da vida do paciente é diferente e o uso dos mesmos pode vir associado a efeitos colaterais. Diante disso, nunca faça uso de antibióticos por conta própria, o uso do medicamento deve ter um acompanhamento médico.
Alguns cuidados no dia a dia são importantes, como manter a pele sempre limpa, esfoliada e hidratada. É comum pensar que uma pele com acne dispensa a hidratação, mas a esfoliação em excesso e a falta de hidratação causam o efeito rebote, aumentando a quantidade de acne e a oleosidade da pele. Maquiagens muito oleosas também podem piorar o quadro, principalmente quando não são removidas corretamente da pele.
O mais importante é que o tratamento tenha um acompanhamento de um médico dermatologista e que os cuidados sejam feitos rotineiramente. A acne na vida adulta deve ser tratada de forma adequada, assim como a disfunção que agrava o seu quadro.

Se quiser ler ainda mais sobre acne, clique aqui.

Dra. Rafaela Salvato - Dermatologista Florianópolis
Acne na Vida Adulta



13 de agosto de 2014

Entrevista Dra. Rafaela Salvato ao Blog Bicha Fêmea

Hoje a Dra. Rafaela Salvato concedeu entrevista à editora Lidiane Vasconcelos, do Portal Bicha Fêmea, um espaço virtual feminino e de variedades, onde você encontra muito bate papo sobre Casa, Decoração, Organização, Saúde, Beleza e Bem Estar.

O tema tratado na entrevista foi "Dias frios, hidratantes e tudo mais: tudo a ver". Foram abordados assuntos como o correto uso de hidratantes e óleos corporais, especificamente como eles agem no organismo.

Outro tema tratado foram as precauções necessárias do uso desses produtos em crianças e idosos, pois esses grupos etários apresentam características especiais e como tais devem receber tratamentos diferenciados.

Finalmente, foi abordado o tema do uso de hidratantes durante o banho. Você sabe se eles realmente funcionam? Confira a íntegra da entrevista, clicando aqui!

Dra. Rafaela Salvato - Dermatologista em Florianópolis - SC

9 de agosto de 2014

Tabagismo e o Envelhecimento precoce

O envelhecimento é um fator natural, e todos passarão por esse processo. Nosso corpo está em constante mudança. Na infância, as modificações são chamadas de crescimento, depois amadurecimento, até que chegamos à fase temida: o envelhecimento. Entretanto, mesmo que a vontade de permanecer jovem, muitas pessoas aceleram o processo de envelhecimento com o pouco cuidado com a pele e consumo de produtos tóxicos para o corpo, como o cigarro.


Pesquisas apontam que cerca de 1,1 bilhão de pessoas fumam no mundo e um dos males causados pelo cigarro é o envelhecimento precoce da pele, que pode evoluir para problemas ainda mais graves. Além disso, o cigarro aumenta consideravelmente a flacidez e as rugas, além de tornar a pele opaca e, muitas vezes, com coloração amarelada. A cicatrização de feridas se torna mais difícil nos fumantes, as unhas tornam-se amareladas e os cabelos ficam opacos e mais propensos a queda. Além disso, o cigarro aumenta a propensão a doenças como alguns tipos de câncer de pele e de boca. Há fortes indícios que o cigarro ainda piora doenças como a psoríase e a acne.


Pesquisas mostraram que os efeitos do cigarro são mais danosos na pele das mulheres e que, muitas vezes, estes danos podem ser piores que os causados pelo sol. Há uma redução da microcirculação e oxigenação da pele, o que aumenta a produção de radicais livres. Estes, por sua vez, causam danos ao DNA das células, ocorrendo maior perda de colágeno e elastina, responsáveis pela elasticidade e tônus da pele e consequentemente uma maior propensão a rugas, flacidez da pele da face e do corpo e opacidade. Inclusive, as rugas ao redor dos lábios são mais acentuadas em fumantes. Devido ao prejuízo que causa à circulação, o cigarro também está associado à piora da celulite e a queda de cabelos.



A melhor maneira de reverter os efeitos do cigarro na pele é reduzir ou abolir o consumo. Mesmo que a interrupção do hábito de fumar já melhore consideravelmente o aspecto da pele, alguns danos causados, principalmente nas pessoas que fumam há muito tempo, não são revertidos. Nestes casos, são indicados tratamentos dermatológicos específicos. Tratamentos realizados em consultório, como Peelings, Laser, Toxina Botulínica, Preenchimentos e Microagulhamento podem ajudar muito, uma vez que melhoram a textura e a coloração da pele, reduzem rugas e estimulam a produção de colágeno. Uma alimentação balanceada, com alimentos ricos em nutrientes (frutas, verduras, proteínas magras), em conjunto com o consumo de muita água, prática de atividades físicas, boas noites de sono e o cuidado com a exposição solar excessiva, são ações importantes e altamente recomendáveis para manter a pele saudável. Além disso, o uso de cremes ricos em substâncias antioxidantes e de filtro solar, também são indicados para minimizar os efeitos das toxinas.

Dra.Rafaela Salvato
Dermatologista Florianópolis

7 de agosto de 2014

Foliculite: Causas e Tratamentos



A foliculite é uma inflamação que se inicia nos folículos pilosos e pode ou não estar associada a infecções por bactérias ou fungos. As lesões de foliculite parecem-se com pequenas “espinhas” ou pústulas, porém seu aparecimento está associado ao local de saída dos pêlos e pode causar desconforto, pequena dor local e também coceira.
Se a foliculite for recorrente é melhor que se procure um dermatologista de confiança para o tratamento. Em casos de foliculite superficial a principal manifestação são pequenas bolhas de coloração amarelada e base avermelhada. Os casos mais graves são diagnosticados de acordo com a recorrência do quadro clínico associado a uma maior quantidade de inflamação, com nódulos endurecidos e maior dor local.
A foliculite pode aparecer em qualquer local do corpo acometido por pêlos, porém é mais comum em áreas de atrito como costas, braços e coxas ou que recebem constante agressão por lâminas de depilação, como é o caso da barba.


Tipos de foliculites mais comuns:
  • A foliculite de barba, apresentação comum de foliculite e que pode se tornar bastante incômoda principalmente para homens que precisam se barbear constantemente, está ligada ao atrito da pele com as lâminas de barbear e à irritação local do trauma junto com o crescimento do pêlo de forma desordenada.
  • A foliculite estafilocócica causa lesões avermelhadas e inflamação com pus, com lesões geralmente superficiais. É comum ocorrer no couro cabeludo e também nas extremidades dos braços e pernas. Indivíduos atópicos têm maior propensão a esses casos. O tratamento inclui evitar trauma na região afetada, higiene adequada, uso de pomadas ou cremes específicos e medidas preventivas de hidratação constante da pele.
  • O hordéolo ou terçol é um tipo de foliculite profunda localizada nos cílios e que costuma causar dor local e incômodo pelo inchaço das pálpebras. Compressas mornas com gaze e soro fisiológico costumam ser suficientes para o alívio dos sintomas, porém, se não houver melhora, um dermatologista ou um oftalmologista devem ser consultados.
  • A foliculite pitirospórica é muito comum em adolescentes e homens. Ela é causada por um fungo e as principais regiões em que costuma aparecer são tórax e costas. O sintoma mais comum nesse tipo de foliculite é a coceira constante no local das lesões.






















Para evitar a foliculite recomenda-se a manutenção da pele sempre limpa e seca. Lavar a pele com produtos antissépticos diariamente sem o acompanhamento de um dermatologista não faz bem, isso porque o produto mata as bactérias protetoras, além de causar ressecamento da pele. Na hora de fazer a barba, lubrifique sempre a pele com produtos adequados (espuma de barbear ou gel). Isso é importante para evitar cortes e, consequentemente, as inflamações no local. Após o ato de se barbear, aplique loções hidratantes e que não contenham álcool para evitar maior desconforto e piora do quadro.



Dra. Rafaela Salvato
Dermatologista Florianópolis - Foliculite

3 de agosto de 2014

Dermatologia Estética: O que é?



A Dermatologia Estética é um ramo da dermatologia que se interessa por questões de pele, cabelo e unhas que prejudicam de alguma forma a aparência do indivíduo, sem comprometer a sua integridade física. Segundo os novos conceitos definidos pelo Ministério da Saúde, o bem estar físico e mental faz parte do que definimos como um indivíduo saudável e é nesse ponto primordial que a melhora estética do paciente, aumentando a sua auto-estima e autoconfiança colaboram para a melhora da qualidade de vida das pessoas.
Dentre muitos problemas que podem afetar a estética da pele, destacam-se a aparência pouco saudável, coloração e textura irregulares, cansaço aparente, manchas, etc.



Atualmente, um dos principais tratamentos realizados pela Dermatologia Estética é o tratamento anti-idade (rugas e sinais de expressão). Se nem sempre é possível conter todos estes sinais, é muito comum que se consiga amenizar as ações do tempo na pele. Neste tipo de tratamento, recomenda-se que o paciente mantenha hábitos saudáveis com o próprio corpo, como exercícios regulares, ingestão de água suficiente, alimentação saudável, diminuição do tabaco e do álcool, evitar exposição solar sem proteção adequada, dentre outros. Essas medidas cotidianas associadas aos tratamentos realizados em consultório melhoram ainda mais o resultado final e aumentam a sua durabilidade.

A Dermatologia Estética visa melhorar a qualidade de vida desse paciente, levantando sua auto-estima e trabalhando com tratamentos cientificamente comprovados e testados pela comunidade médica. É imprescindível que o paciente faça uma avaliação antes de usar qualquer tipo de tratamento, assim como o acompanhamento médico. É comum, por exemplo, que em casos de manchas, o paciente use medicamentos tópicos por conta própria, expondo muitas vezes a pele a prejuízos irreversíveis.
A Dermatologia Estética tem como foco a pele de forma geral, não apenas o rosto. Os ombros, braços, mãos e pernas merecem também um olhar mais atento, seja na prevenção de sinais de envelhecimento, tratamento de marcas devido a exposição inadequada ao sol, dentre outros.


Conheça os tratamentos mais utilizados na Dermatologia Estética:

1. Aplicação de Toxina Botulínica (Botox): atua paralisando linhas de expressão na face, pescoço e colo assim como impedindo a formação de futuras rugas e sinais de expressão.

2. Preenchimento com ácido hialurônico: usado para o rejuvenescimento facial, principalmente quando existe uma perda do volume em determinadas áreas do rosto. Pode ser utilizado também na forma de skinboosters (hidratação profunda da pele), correção de olheiras, dentre outros.

3. Peelings: indicados principalmente para o tratamento de manchas, estrias, diminuição da oleosidade, melhora do viço e textura da pele, diminuição de poros, dentre outros.

4. Lasers e Luz Intensa Pulsada: podem ser usados em diferentes tratamentos, tais como manchas no rosto, estrias, epilação, sardas, rugas finas, etc.

5. Fios de sutura absorvíveis: conhecidos como uma nova técnica – Sutura Silhouette - que promove um lifting imediato sem a necessidade de cortes ou cirurgia, são utilizados principalmente para corrigir a flacidez de áreas do rosto e pescoço.

Dra. Rafaela Salvato
Dermatologista em Florianópolis SC
Dermatologia Estética

28 de julho de 2014

Dermatologia Pediátrica: O que é?




A Dermatologia Pediátrica é uma área da Dermatologia que tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil. Grande parte do seu desenvolvimento deve-se a conscientização gradativamente maior dos pais em relação aos cuidados com a pele, cabelo e unhas das crianças. Crianças e bebês são muito mais frágeis a sensibilidade da pele e requerem uma atenção maior. O ideal é que desde o nascimento, o bebê tenha um acompanhamento de um dermatologista e não somente em casos graves.
Entre as principais causas que trazem mamães e papais ao consultório de dermatologia pediátrica, podemos citar:

Dermatites - Dermatologia Pediátrica
Chamada de eczema, a dermatite pode aparecer de diversas formas, sendo mais comum o ressecamento da pele do bebê, nota-se também vermelhidão e pele rachada. A dermatite no bebê pode causar dor, sangramento e coceira. Os pais devem sempre ficar atentos as mãozinhas, cotovelos e joelhos da criança, pois estas são as áreas mais afetadas nas crianças. Já os bebês, principalmente nos primeiros dias de vida, é comum ter dermatite no couro cabeludo, rosto e tronco.
A dermatite pode ser hereditária, quando atópica, ou pode ser causada pelo uso de substâncias químicas, como a lavagem da roupa do bebê com sabão em pó e amaciante. O suor e certos alimentos podem agravar o problema, por isso, é recomendável que procure um médico dermatologista o mais rápido possível. Procure sempre lavar a roupa do bebê com um sabão de coco leve e evite outras substâncias químicas. Outra dica é a hidratação da pele da criança com produtos adequados.

Manchas na Pele - Dermatologia Pediátrica
Muitos bebês possuem manchas de nascença que podem ir progressivamente desaparecendo ao longo de sua vida. Essas manchas podem ser causadas pelos vasos sanguíneos na superfície da pele ou pelo desenvolvimento anormal das células da pigmentação.
Muitas manchas são benignas e não afetam em nada a saúde do seu bebê, mas é sempre importante ficar atenta e procurar um especialista para uma melhor avaliação.

Eritema Infeccioso - Dermatologia Pediátrica
O eritema infeccioso é causado por um vírus e é benigno. Costuma não ter sintomas graves, mas febre, coceira e dores não são descartadas. É comum observar as bochechinhas mais vermelhas, e certa palidez na região da boca.

Estes são alguns exemplos que a Dermatologia Pediátrica trata. É importante propiciar a criança, desde bebê e durante seu desenvolvimento, o acompanhamento de um especialista na área.

Dra. Rafaela Salvato - Dermatologista
Dermatologia Pediátrica
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...