Google+

10 de dezembro de 2014

Tratamento cicatrizes de acne

Um dos grandes problemas dos homens do campo que precisam andar a cavalo são os tatus. Caso você não saiba o que são tatus, basta se lembrar da copa do mundo no Brasil, realizada na metade desse ano (2014) e que consagrou a Alemanha como a grande campeã.
Se todas as imagens da Copa do Mundo já vieram a sua cabeça, basta se lembrar do mascote Fuleco, um animal azul e amarelo. O Fuleco era um tatu-bola, animal que recebe esse nome porque quando está em uma situação ameaçadora enrola-se todo, ficando com o formato de uma bola.
Voltando ao começo: o maior perigo para quem anda à cavalo no campo são os tatus, porque eles cavam a terra, deixando buracos ao longo de todo o terreno. E quando o homem à cavalo vem, cavalgando rápido, o cavalo pisa em um desses buracos e lá se vão – cavaleiro e animal – rolando pelo chão.
Essa breve história serve para ilustrar a você o problema estético de que iremos falar hoje. Com certeza, a partir dessa descrição acima, você conseguiu imaginar um longo campo verde, cheio de buracos marrons, que causam problemas. O mesmo acontece com o rosto de uma pessoa: quando ficam muitos buraquinhos na pele, a aparência é prejudicada, podendo causar não tombos, mas machucados na auto-estima da pessoa, já que o rosto é a parte do corpo que normalmente as pessoas dão grande valor.
É por isso que o artigo de hoje irá falar sobre Tratamento das cicatrizes de acne. Se você sempre achou que as colunas sociais e as fotos de celebridades em revista de fofoca eram uma grande perda de tempo, demonstrando a futilidade daquelas pessoas, você está enganado.
Explicamos melhor: a classe A foi a grande impulsionadora dos tratamentos estéticos. Como essas pessoas possuem muito dinheiro, estão dispostas a investir em técnicas e procedimentos para parecerem mais jovens e bonitas. E – com isso – elas acabam movimentando o mercado, estimulando novas descobertas.
E muitas dessas descobertas podem ser usadas para o Tratamento das cicatrizes de acne. A primeira dica, portanto, é analisar o seu caso. Você entrou na adolescência com uma pele boa e quando saiu dela estava com muitas cicatrizes no rosto? Então o seu primeiro passo é procurar um bom médico dermatologista, para que ele oriente você a respeito dos Tratamentos das cicatrizes de acne.
No entanto, se em sua pele ainda existe muita acne, não é aconselhado iniciar o Tratamento das cicatrizes de acne. O mais indicado é que primeiro você elimine toda a acne do seu rosto, para depois fazer o Tratamento das cicatrizes de acne. Assim você não corre o risco de uma nova lesão acontecer bem onde você acabou de retirar uma cicatriz.
Clínica de Dermatologia em Santa Catarina - Tratamento cicatrizes de acne

Biópsia de pele


Um antigo ditado chinês dizia algo do tipo: o cavalo do desespero é mais rápido do que o cavalo das boas notícias, porque o cavalo do desespero se alimenta de emoções enquanto o cavalo das boas notícias precisa esperar para receber seu alimento (que seriam pensamentos coerentes e sensatos).
Esse simples provérbio popular oriental mostra que os chineses sempre souberam que o desespero toma conta do ser humano porque ele não consegue pensar racionalmente em uma situação de tensão. A partir desse raciocínio os chineses conseguiram ganhar muitas guerras, se aproveitando da instabilidade emocional do inimigo em momentos de alta tensão. Ou seja: sob uma situação de estresse poucas pessoas conseguem tomar uma decisão.

Toda essa introdução é necessária para que você entenda o artigo de hoje, que fala sobre um assunto muito sério e que – nem por isso – precisa ser tratado com desespero ou afobação. Mantenha a cabeça no lugar, respire fundo, faça as perguntas certas e respeite o tempo.
Invista, então, em atitudes saudáveis e centradas. E por que estamos falando disso? Porque o tema do nosso artigo de hoje é: Biópsia de pele, um assunto que apavora muitas pessoas.

A simples menção à Biópsia de pele já faz com que muitas pessoas associem essas palavras a câncer de pele e a outras experiências negativas. Antes de tudo, lembre-se do nosso conselho do início do artigo: alimente o cavalo correto. Aja com cautela e sensatez.
Uma Biópsia de pele é pedida quando o médico dermatologista precisa de um auxílio para elaborar com maior assertividade um diagnóstico. Como todos sabemos, existe uma gama imensa de doenças que já foram descobertas e detectadas, sendo que muitas delas possuem sintomas muito parecidos.

Sendo assim, a Biópsia de pele é uma forma de economizar tempo (e tempo é algo muito precioso quando estamos falando da suspeita de alguma doença) e fazer um bom trabalho de reconhecimento e tratamento de uma doença.
A Biópsia de pele é usada para diversos casos. Em alguns deles, a pele está inflamada e o médico quer saber o motivo específico dessa inflamação. E – claro – a Biópsia de pele pode ser usada para diagnosticar o câncer de pele. A Biópsia de pele pode também detectar até mesmo cistos ou verrugas que estão em formação.

Por último, vale lembrar: se a Biópsia de pele indicar um câncer, saiba que quanto antes essa doença for diagnosticada, maiores as chances de cura. Ou seja: a Biópsia de pele só irá ajudar você, qualquer que seja o caso.

Rafaela Salvato Dermatologia - Biópsia de Pele.

1 de dezembro de 2014

Oncologia Cutânea


Um recente estudo publicado por um órgão de pesquisa da Noruega indicou que 78% das pessoas possuem dificuldade para fazer um planejamento futuro, que envolva ações que ela precisa estabelecer dentro de um prazo relativamente curto, de um ano.
Ou seja: o ser humano (não todos, claro) é movido por uma ação muito comum, que pode ser observada em pessoas de qualquer país, raça, credo ou classe social. Ficou curioso, não? Pois bem, o que sempre move as pessoas é o chamado “desespero de última hora”.
Isso significa que apenas quando a situação já está bem avançada ou grave é que as pessoas vão começar a se movimentar para tentar correr atrás do tempo perdido e fazer o que precisa ser feito. É assim, por exemplo, com trabalhos da escola: a maioria das crianças deixa para realizar a tarefa quando a data da entrega já está muito próxima.
Também observamos esse comportamento em escritórios: quem nunca se surpreendeu com o próprio potencial ao escrever, em um período muito curto de tempo, todo o relatório cujo prazo estava estourando? E isso acontece até no campo dos esportes, onde a disciplina deveria reinar: muitos times começam de fato a se empenhar no treinamento quando enxergam que o campeonato está bem próximo de começar.

Esse problema se estende à área da saúde também. Muitas pessoas passam a procurar se cuidar mais quando a saúde já está comprometida. Você, com certeza, conhece algum caso de uma pessoa que decidiu parar de fumar apenas quando os pulmões já estavam em estado crítico. Ou aquela pessoa que decidiu finalmente entrar em um regime, após quase enfartar ou desmaiar, por causa da pressão alta.
A dica que damos é: prevenção. E estamos falando em prevenção porque o artigo de hoje fala sobre Oncologia cutânea. Esse termo refere-se a uma doença muito comum, caso você não tenha percebido. Estamos falando do câncer de pele.
A boa notícia é que os pesquisadores sempre se preparam para o pior cenário possível, por isso eles estão à frente de curas e tratamentos que surpreendem sempre médicos e pacientes. Dizemos isso porque a Oncologia cutânea pode ser tratada sem grandes complicações, já que quanto mais cedo é diagnosticada, maiores as chances de sucesso na cura.

Para diagnosticar corretamente a Oncologia cutânea é necessário conhecimento médico aprofundado. No entanto, vale sempre ficar atento aos sintomas, como aquela mancha de cor escura, que apresenta bordas que não são definidas. O segredo aqui é não se desesperar e consultar seu dermatologista regularmente.

Por fim, vale lembrar: qualquer pessoa pode desenvolver Oncologia cutânea (câncer de pele). No entanto, a doença é mais frequente a quem fica exposto muitas horas ao sol, sem a proteção adequada, como acontece com agricultores e pescadores, por exemplo. Nossa dica então é simples: previna-se e use protetor solar, não deixando de ir ao médico regularmente. Lembre-se de que a prevenção pode ser sua melhor amiga e salvadora, quando falamos de Oncologia cutânea.

Dra. Rafaela Salvato Dermatologista em Florianópolis - Oncologia cutânea

Alterações dermatológicas na gravidez



Tudo que está ao nosso redor é resultado de alguma matéria prima. A cadeira onde você está sentado lendo esse artigo, por exemplo, pode ser um móvel fabricado a partir da madeira. Ou, ainda, pode ser fabricado em plástico, um derivado do petróleo.

E assim com todos os objetos: tudo que tocamos, enxergamos e até comemos é resultado de algo que a natureza nos ofereceu para o uso. O homem não cria nada; ele apenas transforma o que encontra ao seu redor, a partir de um trabalho que dá uma finalidade prática ao objeto criado.
Sim, é isso mesmo. O papel não é criação do homem, por exemplo; é apenas um fruto da descoberta de como transformar árvores em um objeto branco, liso e fino, propício à escrita. Nem mesmo a roda, tão famosa em expressões populares (como “inventou a roda”, “descobriu a roda”, usadas ironicamente), é criação do homem. É apenas, novamente, fruto da natureza.

No entanto, isso não retira do homem o fato de que é um descobridor, movido por curiosidade, sempre disposto a encontrar melhores condições de sobrevivência, fato que garantiu sua existência no planeta ao longo dos últimos 10.000 anos.

Uma das provas de que estamos intimamente conectados com a natureza é a gravidez. As mulheres são capazes de gerar novas vidas, assim como acontece em todo o mundo animal. É uma transformação incrível, que acontece a todo o momento. Nesse minuto, dezenas de bebês estão chegando ao mundo.
No entanto, a natureza se encarrega do primordial: do cuidado à vida. Então, conforme já apresentamos, podem surgir alterações dermatológicas na gravidez, dos mais diversos tipos. A seguir, nesse artigo apresentaremos duas delas, que muito incomodam as grávidas: manchas na pele e linha nigra.

As manchas na pele constituem a alteração dermatológica na gravidez mais comum. Geralmente acometem as mulheres no rosto, fazendo com que fiquem com uma mancha marrom-claro perto das bochechas. Isso acontece porque a pele da mulher fica mais sensível com a produção de hormônios durante a gravidez, fazendo com que fique mais vulnerável ao sol. Para evitar esse tipo de manchas, não fique longos períodos exposta ao sol e use sempre protetor solar.

A segunda alteração dermatológica na gravidez que falaremos é a “linha nigra”. Um nome muito estranho e por esse termo nada deve vir a sua mente. Mas estamos falando daquela linha vertical bem escura na barriga da grávida. Se essa alteração dermatológica na gravidez surgiu, não se preocupe. Depois de um período após o parto ela costuma sumir.


Clínica de Dermatologia em Florianópolis - Alterações dermatológicas na gravidez

19 de novembro de 2014

Cirurgia Plástica


Em correntes filosóficas do Oriente existem muitos pensamentos que refletem a sabedoria de grandes mestres, que se dedicaram a tentar compreender o cosmos, os planetas, os animais e a vida. Entre esses pensadores que se dedicaram a entender a vida, muitos se destacam por belas frases, que refletem a consciência que conquistaram, em relação ao mundo que os cerca.
Mas não se preocupe se ainda não entendeu, porque explicaremos melhor. Em correntes religiosas orientais (se você estudá-las) encontrará muitos pensamentos sobre a forma com que devemos viver e cuidar do nosso corpo, para evitar arrependimentos futuros.
Podemos citar, por exemplo, uma frase que diz: “seu corpo é um diamante bruto. É preciso lapidá-lo”. Ou seja: o corpo humano é um instrumento perfeito que foi dado a você (de acordo com essas filosofias) e cabe a você cuidar dele, ou seja: fazer refeições balanceadas, evitar a raiva e o ódio e praticar hábitos salutares, como exercícios físicos ou meditação.
Filosofia à parte, e independente do pensamento de cada um, é importante sim cuidar do corpo, desde que com método e segurança. Nesse artigo você irá conferir sobre as maneiras como a Cirurgia Plástica pode ajudar as pessoas.

Cirurgia Plástica engloba os procedimentos que podem ser de dois tipos: os que são feitos com cirurgia e os que são feitos sem cirurgia. Se você possui algum preconceito em relação à Cirurgia Plástica, vale repensar.
Muitas cirurgias plásticas realizadas são do tipo “reparadora”, ou seja, para corrigir pequenos problemas de nascença ou causados por acidentes, que acabam afetando a auto-estima da pessoa. É o caso, por exemplo, de crianças que possuem orelhas grandes ou lábio leporino. A Cirurgia Plástica também ajuda obesos que conseguiram emagrecer, mas ficaram com pele flácida, sendo assim necessário um procedimento para retirar o excesso de pele.

Um público cada vez maior da Cirurgia Plástica são os homens. Recentemente, com a popularização dos metrossexuais e o aumento da vaidade masculina, muitos procedimentos de Cirurgia Plástica estão abertos aos homens, como a lipoaspiração e plástica de nariz.
Por último, lembre-se sempre: Cirurgia Plástica é um procedimento muito sério. Não faça uma Cirurgia Plástica por impulso, apenas porque alguém sugeriu a você. Lembre-se da história do começo do artigo: seu corpo é seu diamante. Procure lapidá-lo com esmero.

Clínica Dermatologia Florianópolis - Dra. Rafaela Salvato Dermatologista - Cirurgia Plástica

Terapia Fotodinâmica



Um dos personagens mais famosos da literatura, inspirado na vida real, fez e faz muito sucesso até hoje, em livros, novelas, músicas, histórias em quadrinhos e – claro – filmes. Estamos falando do Conde Drácula, temível vampiro que habitava terras distantes, localizadas ao leste da Europa. Conta a lenda que esse ser possuía poderes mágicos, como se transformar em morcego, além de ser capaz de viver muitos anos.
A única fragilidade de um vampiro era em relação a objetos ou situações muito, muito específicas. Vampiros – ainda de acordo com o imaginário popular – são extremamente frágeis ao alho, que os repele. Também não suportam água benta e – muito menos – crucifixos. E – como todos sabem – vampiros saem somente de noite, porque morrem rapidamente se entrarem em contato com a luz do sol.
Esse simples exemplo retirado dos livros clássicos mostra como a luz do sol possui benefícios e poderes que até hoje são estudados. Sabemos que a luz do sol é responsável pelo auxílio na produção de vitamina D, além de ajudar a curar outros males.
No entanto, não é apenas a luz do sol que possui esse poder. Com o avanço da ciência, especialistas desenvolveram outros tipos de luzes (algumas vezes conhecidas como lasers), que ajudam nos mais diversos tratamentos de saúde.

Hoje iremos falar da Terapia Fotodinâmica, um método que vem sendo usado para fazer tratamentos da pele e também tratamentos estéticos. Para entender melhor a Terapia Fotodinâmica você precisa entender que Foto significa Luz. Ou seja: uma terapia que usa a luz como princípio ativo.
Para que a Terapia Fotodinâmica funcione, o médico aplica uma substância na pele, normalmente um ácido, e depois faz a irradiação de um tipo de luz específica na pele. O ácido ajuda a potencializar o efeito da luz, possibilitando assim que os efeitos resultados sejam alcançados.
A Terapia Fotodinâmica é muito usada para tratar determinados tipos de câncer de pele, geralmente as formas menos agressivas (que acontecem 9 em cada 10 casos). No entanto, a Terapia Fotodinâmica também é usada para outros fins, desde o rejuvenescimento facial até o tratamento de uma acne persistente e avançada.
O procedimento não necessita de sedação, ou seja: o paciente fica acordado enquanto a Terapia Fotodinâmica entra em ação. E quanto à recuperação da Terapia Fotodinâmica, ela demora apenas um pouco mais, porque a pele é um órgão muito sensível e necessita de cuidados especiais.
Normalmente a pele consegue se recuperar em menos de um mês, algo em torno de 21 dias, um prazo relativamente rápido – principalmente quando se está tratando de uma doença como o câncer. Converse com um médico dermatologista e procure saber mais sobre a Terapia Fotodinâmica. Procure sempre consultórios/clínicas especializadas, já que a Terapia Fotodinâmica, quando feita incorretamente pode acarretar sérios danos a sua saúde.

Clínica dermatologia Florianópolis - Dra. Rafaela Salvato Dermatologista - Terapia Fotodinâmica

12 de novembro de 2014

Calvície



Com uma nova idade chegam novas experiências. Durante a infância não percebemos as mudanças, mas – principalmente – na época da pré-adolescência para frente, nossa mente e maturidade evoluem constantemente, o que é muito interessante, já que a vida é uma espiral infinita de aprendizados.

No entanto, com as novas experiências chegam também os desafios e problemas. E com a nova idade, chegam situações que você não faz a mínima idéia de como enfrentar. Os dermatologistas costumam citar, por exemplo, a chegada do problema da calvície.
Esse problema chega sem avisar, mas dá pequenas pistas, principalmente depois que você entende que todo ser humano é 50% fruto dos cromossomos da mãe e 50% fruto dos cromossomos do pai.

Ou seja: se um dos lados possui nos genes um problema genético, existe a chance de que ele tenha sido repassado a você. A boa notícia é que atualmente a medicina está muito avançada e – se não existir cura para seu problema – com certeza já existe um tratamento. O avanço da internet e o acesso à informação se tornaram muito rápidos, o que faz com que a comunidade de pesquisas científicas e a comunidade médica de todo o mundo estejam sempre em contato.

Todo esse contexto é importante para que você observe que a Calvície, um problema que aflige muitos homens, é um problema genético. Claro, quando percebemos que apresentamos esse componente genético que faz o cabelo cair, é um tanto impactante saber que existe a possibilidade de que ficaremos carecas.
Passado o susto e o pânico inicial, é hora de buscar o tratamento para a Calvície (que pelos médicos é conhecida como Alopecia – um nome muito mais simpático, não acham?). E aqui, a título de curiosidade: você sabia que Alopecia vem de uma palavra grega, que é Alopex? E você sabia que Alopex quer dizer raposa? Mas, afinal, o que tem a ver raposa com Calvície? A raposa também apresenta frequente queda de pêlos, e é por isso que esse foi o nome escolhido para representar cientificamente o popular nome da Calvície.

Para saber se você realmente sofre com Calvície, consulte um médico dermatologista. É muito mais fácil, rápido e prático. Você não sofre por antecipação e nem cria problemas que não possui. Às vezes muitos homens acham que estão ficando carecas porque encontram muitos fios de cabelo na pia e no ralo do chuveiro.

Claro, esse pode ser um sinal de Calvície, mas todo ser humano perde até cem fios de cabelo por dia, ou seja: cabelo cair é absolutamente normal. O problema acontece quando os fios que caem não são repostos, o que acaba resultando na Calvície.

E, por último, existem outros problemas que podem levar à Calvície, problemas que não são genéticos, como a seborreia. Por isso, novamente nossa dica final é: procure um médico. Quanto antes você descobrir e quanto antes você tratar do problema da Calvície mais fácil será para continuar com seus belos cabelos acima da sua cabeça.

Rafaela Salvato Dermatologia - Dermatologista em Florianópolis SC - Calvície

Molusco contagioso


Antigamente, mas muito antigamente, as doenças não possuíam nome. Os médicos da época, normalmente curandeiros do próprio povoado (já que as cidades ainda nem existiam) referiam-se aos problemas de saúde pelos sintomas. Por exemplo: tal pessoa está com o mal da cabeça que dói. Ou: aquela mulher sofre com dores que apertam sua barriga. E, ainda: aquele homem está com uma ferida de guerra que faz seu sangue se espalhar por dentro do corpo.

Agora, imagine quanto tempo era gasto para falar “problema que faz o sangue se espalhar por dentro do corpo”. E imagine ter de discutir com outra pessoa, falando sempre o nome do sintoma. Complicado, não? Não seria muito mais fácil falar, por exemplo, “hemorragia interna”?
A solução parece óbvia e é óbvia, mas é apenas óbvia porque você já conhecia a solução. Caso você vivesse na época, sofreria com esse problema também.

É por isso que, junto com o desenvolvimento da medicina, desenvolveu-se também a etimologia médica, ou seja, a criação de nome para as doenças. Vale ressaltar que sempre existem dois tipos de nomenclatura: o nome científico da doença, normalmente escrito em latim, e o nome popular, que a maioria das pessoas conhece.

No entanto, isso não impediu que nomes muito estranhos fossem criados para doenças muito simples. É o caso do que veremos hoje, nesse artigo que fala de uma doença de pele, conhecida como Molusco contagioso, nome para lá de estranho, não?

O Molusco contagioso é uma doença que atinge a pele. Como o próprio nome diz, ela é contagiosa, ou seja, pode ser passada de pessoa para pessoa. Por isso é importante que o diagnóstico seja feito o mais rápido possível, para evitar que mais pessoas sejam atingidas pela doença.

Vale notar que existem diversas formas de transmissão do Molusco contagioso, que pode ser feita a partir do contato direto com objetos que a pessoa infectada usou ou contato com a própria pessoa. Isso acontece porque o Molusco contagioso é causado por um vírus, e vírus possuem alto poder de disseminação e – principalmente – capacidade de sobreviver até as mais difíceis situações.

Normalmente, o Molusco contagioso atinge crianças, quando elas estão com alguma ferida em aberto. O vírus do Molusco contagioso atinge o rosto, braços, pés e outras partes do corpo. Mas, caso já esteja ficando preocupado, aqui vão algumas informações muito importantes: o Molusco contagioso não é uma doença grave. O Molusco contagioso mais incomoda do que prejudica a saúde.

E, por fim, para que você entenda como o Molusco contagioso se manifesta: inicialmente surgem na pele pequenas bolinhas brancas, que aumentam de tamanho até ficarem do tamanho da cabeça de um alfinete. O diagnóstico e tratamento para o Molusco contagioso deve ser sugerido por um dermatologista.

Rafaela Salvato Dermatologia - Dermatologista Florianópolis - Molusco contagioso

Hiperidrose - suor excessivo


Nos filmes e no esporte o suor (sim, o suor!) possui um papel muito romântico e importante. Explico melhor: na tela do cinema ou da televisão, quando o ator aparece com a camisa molhada de suor é porque fez um grande esforço, seja para lutar com bandidos, parar o trem e salvar a mocinha, ou seja para mostrar que o espião altamente treinado e capacitado também é humano e precisa se esforçar muito para cumprir suas missões.

Já no esporte, o suor é visto como fruto de um esforço e da garra do atleta. Existe uma foto muito famosa de Pelé, o rei do futebol, em que o jogador está com a camisa da seleção brasileira, de cor amarela, e o suor no seu peito deixa uma marca em forma de coração na camisa.

Além dessas áreas, o suor também está presente no imaginário popular, povoando frases como: “vai ter que suar a camisa”, “com o suor do meu rosto”, etc. Mas, antes de ser resultado de um esforço, o suor é uma adaptação do organismo para controlar a temperatura do corpo humano.

O corpo humano precisa sempre manter a temperatura próxima dos trinta e seis graus Celsius. Dois graus a mais já o deixam debilitado e dois graus a menos também. O que acontece quando fazemos exercício é que o coração bombeia mais sangue para os músculos, que ficam aquecidos. Para o corpo não entrar em colapso com o aumento da temperatura, glândulas específicas que ficam debaixo da pele secretam água, para refrescar e diminuir a temperatura corporal. Um mecanismo inteligente, mas que não está à prova de falhas.

Um dos problemas que ocorre é a Hiperidrose, também conhecida como Sudorese, ou seja: um incômodo causado porque a transpiração da pessoa é anormal, fazendo com que ela sue demais. O problema normalmente é causado pelas glândulas que já citamos acima e que são conhecidas como glândulas sudoríparas.

Se você sua de maneira descontrolada e – em alguns casos – até constrangedora, principalmente em regiões como mãos, pés, axilas e rosto, pode ser que você sofra com a Hiperidrose.
Quanto aos tratamentos para a Hiperidrose existem diferentes caminhos. Um médico precisará avaliar você, seu dia a dia, sua personalidade, sua alimentação e seu corpo. Mas, apenas a título de curiosidade, os principais tratamentos envolvem uso de cremes e anti-transpirantes específicos, tratamento com medicamentos que atuam no sistema nervoso, tratamento com toxina botulínica (conhecida também como botox) e – nos casos mais severos – tratamento cirúrgico.

Dermatologia Estética Florianópolis SC - Rafaela Salvato Dermatologia - Hiperidrose

4 de novembro de 2014

Intradermoterapia capilar


Em um filme de ficção científica da década de 80, quando as pessoas ficavam doentes, ao invés de irem para o hospital, recebiam em casa a visita de um médico. O problema de saúde poderia ser dos mais variados tipos, desde uma simples gripe até uma infecciosa tuberculose ou um mortal câncer.

O doutor chegava à casa da pessoa, tirava da maleta uma espécie de seringa, abria outro compartimento da maleta e escolhia um dos milhares de frascos coloridos e pequenos que estavam ali. Essa etapa demorava alguns minutos, porque eram muitas as opções, com nomes complicados no rótulo, que poderiam levar o paciente à morte se o escolhido fosse o errado.

Passado esses minutos de tensão, o médico finalmente escolhia o frasco e colocava-o dentro do objeto que se parecia com uma seringa. Então, segurava a pele do paciente, em uma espécie de beliscão, e aplicava debaixo da pele dele todo o conteúdo que estava dentro do frasco, de uma só vez. A diferença para a vacina é que o remédio não era líquido, e sim em formato de pequenas cápsulas, que faziam um barulho quando eram expelidas para fora da seringa. Mas como a arte imita a vida, e vice-versa, esse tipo de procedimento não é mais encontrado apenas em filmes, com a ressalva de um ou outro detalhe diferente.

E aqui chegamos ao ponto que gostaríamos de falar desde o início, que é a Intradermoterapia Capilar. Esse procedimento se assemelha muito ao que descrevemos acima, conforme a cena do filme de ficção científica. Mas, como se trata de vida real, o procedimento é mais simples. Para que você entenda, a Intradermoterapia Capilar é uma técnica que consiste na aplicação de substâncias medicamentosas debaixo da pele ou de algum tecido.

E qual a diferença entre ingerir um remédio oralmente e aplicar esse remédio debaixo da pele? A diferença é que colocando o remédio debaixo da pele você estimula uma resposta local, ou seja: com uma alta concentração de um medicamento em determinado lugar, o corpo reage mais rapidamente.

E para que a Intradermoterapia Capilar serve? Bem, você já conhece o que a técnica de Intradermoterapia faz e você também sabe que a palavra Capilar se refere a cabelos ou pelos. Então, podemos concluir, logicamente, que essa é uma técnica que atua para ajudar a diminuição da calvície.

Durante o tratamento da Intradermoterapia Capilar são feitas aplicações de doses com conteúdo diversos. Elas podem conter substâncias que diminuem a oleosidade do couro cabeludo, substâncias que ajudam a melhorar a circulação sanguínea do local, aminoácidos, vitaminas, e – claro – substâncias específicas para o aumento do crescimento de cabelos no local.

Por último, lembre-se: antes de tentar a Intradermoterapia Capilar consulte um médico dermatologista e verifique qual é o melhor tratamento para o seu caso.

Rafaela Salvato Dermatologia, Clínica de dermatologia em Florianópolis SC.Intradermoterapia capilar

Hemangiomas


Quando alguma anormalidade surge em nosso corpo, surgem também duas preocupações. A primeira é: será que é perigoso? Essa etapa inicial gera muita ansiedade nas pessoas, o que faz com que fiquem nervosas e deixem as pessoas que estão ao seu redor nervosas também.

O problema é que até marcar uma consulta, visitar o médico, fazer os exames, retornar ao médico e receber o diagnóstico, perde-se um precioso tempo, que deixa ainda mais nervosa e pessoa. Quando tudo acaba bem e descobre-se que o problema não irá afetar a saúde da pessoa de nenhuma maneira, surge a segunda preocupação: será que esse problema irá afetar a estética?

Um recente caso que saiu na mídia mostrava que um ator ficou meses sem sair de casa porque durante um passeio em uma ilha paradisíaca participou de uma atividade de mergulho e – por uma infelicidade – encontrou uma água-viva enquanto nadava. Os tentáculos da água-viva encostaram em seu braço, causando uma queimadura. O incidente, felizmente, não colocou em risco a vida do ator, mas com medo de que ficasse uma cicatriz permanente no lugar ele preferiu ficar um tempo afastado, tanto do sol como dos paparazzi.

Um dos tipos de anormalidade que surge na pele de algumas pessoas é o hemangioma. Conforme já falamos acima, o hemangioma é um daqueles problemas que não afeta a saúde da pessoa, mas que pode trazer problemas à estética. Mas você sabe o que são hemangiomas? Ou como eles acontecem? Fique atento então aos próximos parágrafos.

Hemangiomas são tumores. E é aqui que muitas pessoas ficam de cabelo em pé, lembrando-se e associando tumores imediatamente ao câncer. Mas calma: hemangiomas são tumores, mas do tipo benigno. O que acontece é que muitos vasos sanguíneos, por uma razão que ainda está sendo estudada, se concentram em uma parte específica da pele ou até de alguns órgãos.

Quando acontecem na pele, é mais fácil – obviamente – de identificar os hemangiomas. No entanto, quando o hemangioma acontece nos órgãos, eles apenas podem ser identificados através de exames e – muitas vezes – são descobertos até sem querer.

Para saber se trata-se de hemangioma ou de algum outro problema, os médicos ficam atentos aos sintomas. Hemangiomas normalmente aparecem como uma mancha grande e de tom vermelho ou roxo.

Existem hemangiomas dos mais diversos tipos, como o hemangioma tuberoso, o hemangioma cavernoso, o hemangioma plano, o hemangioma capilar e o hemangioma tumoral. Até mesmo esse último não é maligno. Vale ressaltar novamente que é muito raro que um hemangioma se transforme em um tumor maligno.

Por último, quanto ao tratamento, quem deve orientar você é o médico dermatologista devidamente certificado.

Rafaela Salvato Dermatologia, Clínica de dermatologia em Florianópolis SC. Hemangiomas

Quelóide



Na literatura e no cinema encontramos personagens dos mais variados tipos. Existem, claro, os mais comuns, como os heróis, os vilões, as mocinhas, os gênios, os brutos, os elegantes, os descolados, etc. Mas as personagens que mais ficam marcadas na nossa memória são aquelas que fogem dos padrões. E isso pode acontecer em diversas áreas. Como se esquecer, por exemplo, de um homem que suporta tiros e possui visão raio-X, como o super-homem? Ou, ainda, quem poderia se esquecer do mafioso que anda sempre com terno impecável? São muitos os exemplos.
O fato é que pequenos detalhes são suficientes para marcar nossa memória. Por isso é que – atualmente – percebe-se na área da estética uma busca para apagar cicatrizes. Sim, porque no cinema as cicatrizes até possuem um charme, sendo usadas para comprovar as dificuldades que um herói passou, por exemplo.

Mas na vida real, ninguém quer ser lembrado por uma cicatriz, principalmente quando ela é grande, em uma cor nada discreta e – ainda – em um local muito visível. Pesquisas feitas por uma instituição de ensino superior do Canadá indicaram que de cada 10 pessoas que possuem uma cicatriz, seis gostariam de fazer algum procedimento para retirá-la ou amenizá-la e 2 confessaram já ter sofrido problemas de auto-estima devido à presença da cicatriz.

Um dos piores tipos de cicatrizes são as quelóides. O nome pode não parecer familiar, mas com certeza você já viu uma cicatriz do tipo quelóide. Elas não são branquinhas e discretas, como a cicatriz que muitas pessoas carregam no braço em função da vacina que tomaram quando eram bebês. As quelóides são grandes e largas, de cores diferentes da pele, podendo ser muito rosadas ou até mesmo escuras.

Elas não oferecem risco à saúde, mas afetam, conforme já dissemos acima, a estética. Os quelóides são formadas por um processo incomum de cicatrização, que pode ocorrer depois de algum acidente ou – principalmente em cirurgias. Cientistas estudam que pessoas que costumam formar muita cicatriz desse tipo normalmente possuem uma predisposição genética. Outros estudos mostraram também que negros são mais acometidos por quelóides.

Quanto às regiões, fique atento: os quelóides atingem principalmente o rosto (quando ocorrem casos de má cicatrização decorrente da acne ou de piercings), ombros e orelhas. É importante, para que um ferimento não chegue ao estágio de quelóide, perceber o que acontece antes. Se o ferimento coçar muito e ficar vermelho, atenção. Consulte um médico dermatologista e ele irá recomendar a você uma pomada cicatrizante correta. Durante o período de recuperação de uma quelóide é muito importante que você evite ao máximo o sol. Proteja a área afetada com peças de roupa e – sempre – protetor solar.

Não retire as casquinhas que se formaram no ferimento. Para evitar que isso aconteça acidentalmente, proteja o ferimento com uma gaze que permita que o machucado respire.

Rafaela Salvato Dermatologia, Clínica de Dermatologia em Florianópolis SC. Quelóide


29 de outubro de 2014

Verrugas


 
Contos de fada repetiram exaustivamente a imagem mais comum de bruxa: uma senhora, vestida com roupas pretas ou cinzas, chapéu pontudo e alto. Bruxas – conforme a literatura infantil – sempre estão com um caldeirão por perto, não desgrudando também do gato preto, fiel animal de estimação – nem da vassoura, meio de transporte preferido delas. E, um detalhe que nunca escapa no estereótipo da bruxa ideal é o nariz fino, comprido e... com uma verruga na ponta.

Talvez por isso as verrugas sejam vistas com maus olhos atualmente. A boa notícia é que já é possível tratá-las e eliminá-las, para quem se incomoda com elas. A seguir você acompanhará então o que é uma verruga, como ela surge, quais os tipos diferentes de verruga, onde elas podem surgir e as alternativas que existem para eliminá-las.

Conforme aprendemos na escola, a pele é formada por diversas camadas, da mais superficial a mais profunda. Basta lembrar, por exemplo, de notícias que falam de queimaduras: queimaduras de primeiro grau afetam a primeira camada da pele, queimaduras de segundo grau afetam a segunda camada da pele e queimaduras de terceiro grau afetam a terceira camada da pele.

Normalmente, as verrugas são superficiais, surgindo na primeira camada da pele. Elas “nascem” a partir de uma infecção na pele, causada por um vírus. Verrugas não são cancerosas. Mas em qualquer caso é importante sempre consultar um médico, para que ele possa diagnosticar corretamente o seu caso.
As verrugas podem se manifestar de diferentes maneiras, de acordo com o local onde surgem. Normalmente, elas são da cor da pele, já notou? Algumas mais escuras, outras mais claras, mas nunca em uma cor muito diferente.

Verrugas podem surgir em diferentes locais do corpo. Existe, por exemplo, o que é caracterizado como “verruga vulgar”. Esse tipo cresce nos dedos, ao redor das unhas e na parte de trás das mãos. Existem também verrugas que surgem na planta dos pés. Esse é um dos casos em que o problema estético quase é imperceptível, mas o desconforto é grande, já que ao caminhar elas cutucam a pele, como uma pequena pedra. Outro tipo que incomoda muito são as verrugas genitais, que podem ser transmitidas pelo contato sexual.

Quanto ao tratamento, ele varia muito de caso para caso e de pessoa para pessoa. O ideal é que você procure um médico qualificado e especializado. Normalmente esse trabalho cabe aos dermatologistas, que cuidam da parte da pele.

As verrugas devem ser tratadas, por isso – se você notou que alguma surgiu – busque logo o médico, para verificar qual o tratamento necessário. Essa atitude, além de valorizar a sua beleza, é essencial para manter a sua saúde e a saúde da sua pele em dia.
Dra. Rafaela Salvato - Dermatologista em Florianópolis Santa Catarina - Verrugas

15 de outubro de 2014

Dermatite Atópica em Bebês

Dermatite Atópica em Bebês
A dermatite atópica é uma doença inflamatória crônica, não contagiosa, também chamada de eczema atópico. A pele do rosto e do corpo fica ressecada, irritada, inflamada e com prurido intenso (coceira). A coceira é o principal sintoma e pode permitir a entrada de microrganismos e facilitar a inflamação e a infecção da região.

Geralmente costuma se desenvolver nos primeiros anos de vida e acomete em maior percentual as crianças com história familiar de dermatite atópica ou alergias respiratórias como rinite, bronquite e asma. Além dos fatores genéticos e hereditários, alguns fatores externos contribuem significativamente para o aparecimento dessas lesões na pele.

As alterações genéticas nas células da pele colaboram para o rompimento da proteção da epiderme o que permite a entrada de agentes irritantes que colaboram com a coceira e a irritação, comuns em nos casos de dermatite atópica. Quando a pele é seca, descama com facilidade, outro fator que colabora para o desconforto das coceiras.

A irritação constante e o contato direto das mãos nas lesões podem desencadear uma infecção maior, podendo ocorrer formação de crostas e pus.

A hidratação é a melhor arma para combater esses desconfortos e até a melhor maneira de evitar as crises de dermatite atópica, pois uma pele hidratada é uma pele mais protegida. O uso de filtro solar é um fator importante na prevenção, pois sem proteção a pele fica exposta aos efeitos nocivos da radiação solar, o que pode ser a porta de entrada para outras doenças da pele.
Substâncias alergênicas ou irritativas

Bebês e crianças com dermatite atópica apresentam maior facilidade para crises alérgicas ou dermatites de contato por substâncias irritativas.
Substâncias alergênicas são substâncias que provocam crises alérgicas quando entram em contato com a pele tanto pelo contato direto quanto através da ingestão ou inalação. As mais comuns são os ácaros, os fungos, os pêlos de animais e os alimentos. Para saber qual substância causa a alergia, pode haver a necessidade de testes alérgicos, que podem ser realizados por um dermatologista ou por um alergista.
Substâncias irritantes são substâncias que provocam reação quando entram em contato direto com a pele ou a via respiratória. As mais conhecidas são produtos químicos em geral, sabonetes, poeira, fumaça de cigarro, roupas sintéticas, cortinas, tapetes, bichos de pelúcias, etc.
Cuidados especiais com a pele do bebê - Dermatite Atópica em Bebês

- Hidratação é fundamental: hidrate a pele da criança pelo menos duas vezes ao dia, com produtos antialérgicos indicados pelo dermatologista.
- Mantenha a pele limpa e fresca: os banhos devem ser mornos, rápidos e com pouco sabonete. Restrinja o uso do sabonete às áreas com maior produção de suor. Dê preferência a sabonetes líquidos, neutros e sem álcool em sua composição, pois são menos irritantes.
- Vestuário confortável: vista roupas confortáveis e de preferência de algodão.
- Lavagem das roupas: dê preferência a sabão líquido ou de côco, de tons claros, evitando os amaciantes.
- Ambientes frescos: evite expor a criança a mudanças bruscas de temperatura e prefira ambientes mais frescos e ventilados na maior parte do tempo.
- Estresse: situações estressantes podem desencadear ou piorar a crise da dermatite atópica.
- Preste atenção na alimentação: o ideal é ter refeições saudáveis e balanceadas, que colaboram para a saúde do organismo e da pele. Alguns alimentos podem desencadear reações alérgicas nessa fase: observe se ocorrem lesões se a criança consumir leite, ovos, soja, trigo, amendoim, etc.

Qualquer medicação deve ser orientada pelo médico dermatologista para evitar complicações e riscos à criança. A pele em cada faixa etária apresenta características diferentes e nem todo produto pode ser utilizado. 
Dentre as opções de tratamento para dermatite Atópica em Bebês, podemos citar:

- Pomadas e cremes de corticosteróides
- Corticosteróides orais
- Imunomoduladores tópicos ou orais
- Antihistamínicos orais
- Antibióticos orais ou tópicos

Outras terapias:

- Fototerapia
- Probióticos orais
- Coaltares tópicos

Dra. Rafaela Salvato - Dermatologista em Florianópolis - Dermatite Atópica em Bebês


20 de agosto de 2014

Vitiligo: Causas e Tratamentos

Vitiligo causas e tratamentos florianópolis dermatologista 
O primeiro sinal aparente do Vitiligo é a perda da coloração da pele. Isso acontece devido à diminuição dos melanócitos, as células que são responsáveis pela produção do pigmento da pele, a melanina. Formam-se, então, manchas esbranquiçadas devido ao clareamento em locais afetados pela doença.

A medicina ainda não tem um consenso sobre as causas exatas para o seu surgimento, porém as teorias mais aceitas são a de fenômenos autoimunes, piora com o estresse e traumas emocionais e a influência genética familiar.

O paciente com vitiligo possui manchas brancas na pele, que podem ter diversos tamanhos e aparecem em diferentes locais do corpo. O dermatologista deve avaliar o quadro do paciente de vitiligo e indicar o melhor tratamento específico para cada caso. As manchas do vitiligo não costumam causar sintomas, embora em alguns casos, foi detectada certa sensibilidade e até mesmo dor nas áreas manchadas.

tratamento para vitiligo em Florianópolis
Existem alguns tipos diferentes de vitiligo.
  • O vitiligo segmentar manifesta-se em apenas uma parte do corpo e geralmente surge na juventude.
  • O vitiligo bilateral, mais comum, aparece em ambos os lados do corpo (ex. dois braços), sendo mais comum aparecerem nas extremidades, como os pés. A doença segmentar costuma ser mais estabilizada, enquanto que a bilateral não costuma ter um padrão definido, podendo apresentar diferentes lesões no corpo ao longo da vida do indivíduo.
Vale ainda ressaltar que o vitiligo não é contagioso. Por outro lado, a autoestima e a qualidade de vida do paciente são drasticamente alteradas, devido ao impacto que as manchas brancas causam na aparência.
O vitiligo pode estar associado a outras doenças autoimunes, como a diabetes mellitus tipo 1 e a tireoidite de Hashimoto. Geralmente, o dermatologista solicita exames para tentar achar outras doenças associadas, dependendo de cada caso.
o que é vitiligo dermatologista
Embora não seja possível evitar o vitiligo, o ideal é que toda a família do paciente faça um acompanhamento com o dermatologista, a fim de observar se há a presença ou não da doença. Tratamentos realizados precocemente e em manchas menores costumam apresentar melhor resultado terapêutico.

O tratamento é diferente para cada caso, mas em geral usam-se medicamentos para repigmentação das manchas, assim como laser, cirurgias e transplante de melanócitos. Os pacientes são orientados a evitarem roupas apertadas nas áreas afetadas, exposição inadequada ao sol, dentre outros cuidados, para que não induzam a propagação da doença.

Junto ao tratamento, o dermatologista deve orientar também o paciente a um acompanhamento psicológico. O vitiligo não afeta diretamente a saúde do paciente, mas tem um impacto considerável sobre o fator emocional, causando baixa autoestima, timidez, problemas de relacionamento, dentre outros fatores. O médico tentará não apenas repigmentar as manchas, como também devolver qualidade de vida para o seu paciente.


Se você quiser saber ainda mais sobre Vitiligo clique aqui.

Dra. Rafaela Salvato
Dermatologista em Florianópolis - Vilitigo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...