Google+

12 de novembro de 2014

Molusco contagioso


Antigamente, mas muito antigamente, as doenças não possuíam nome. Os médicos da época, normalmente curandeiros do próprio povoado (já que as cidades ainda nem existiam) referiam-se aos problemas de saúde pelos sintomas. Por exemplo: tal pessoa está com o mal da cabeça que dói. Ou: aquela mulher sofre com dores que apertam sua barriga. E, ainda: aquele homem está com uma ferida de guerra que faz seu sangue se espalhar por dentro do corpo.

Agora, imagine quanto tempo era gasto para falar “problema que faz o sangue se espalhar por dentro do corpo”. E imagine ter de discutir com outra pessoa, falando sempre o nome do sintoma. Complicado, não? Não seria muito mais fácil falar, por exemplo, “hemorragia interna”?
A solução parece óbvia e é óbvia, mas é apenas óbvia porque você já conhecia a solução. Caso você vivesse na época, sofreria com esse problema também.

É por isso que, junto com o desenvolvimento da medicina, desenvolveu-se também a etimologia médica, ou seja, a criação de nome para as doenças. Vale ressaltar que sempre existem dois tipos de nomenclatura: o nome científico da doença, normalmente escrito em latim, e o nome popular, que a maioria das pessoas conhece.

No entanto, isso não impediu que nomes muito estranhos fossem criados para doenças muito simples. É o caso do que veremos hoje, nesse artigo que fala de uma doença de pele, conhecida como Molusco contagioso, nome para lá de estranho, não?

O Molusco contagioso é uma doença que atinge a pele. Como o próprio nome diz, ela é contagiosa, ou seja, pode ser passada de pessoa para pessoa. Por isso é importante que o diagnóstico seja feito o mais rápido possível, para evitar que mais pessoas sejam atingidas pela doença.

Vale notar que existem diversas formas de transmissão do Molusco contagioso, que pode ser feita a partir do contato direto com objetos que a pessoa infectada usou ou contato com a própria pessoa. Isso acontece porque o Molusco contagioso é causado por um vírus, e vírus possuem alto poder de disseminação e – principalmente – capacidade de sobreviver até as mais difíceis situações.

Normalmente, o Molusco contagioso atinge crianças, quando elas estão com alguma ferida em aberto. O vírus do Molusco contagioso atinge o rosto, braços, pés e outras partes do corpo. Mas, caso já esteja ficando preocupado, aqui vão algumas informações muito importantes: o Molusco contagioso não é uma doença grave. O Molusco contagioso mais incomoda do que prejudica a saúde.

E, por fim, para que você entenda como o Molusco contagioso se manifesta: inicialmente surgem na pele pequenas bolinhas brancas, que aumentam de tamanho até ficarem do tamanho da cabeça de um alfinete. O diagnóstico e tratamento para o Molusco contagioso deve ser sugerido por um dermatologista.

Rafaela Salvato Dermatologia - Dermatologista Florianópolis - Molusco contagioso
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...